.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

História da Cigana Curandeira

Rose Animated Pictures, Images and Photos

Seu nome era Luma, nasceu prematura, a sétima filha de uma família tradicional cigana.
Devido a dificuldade do parto e a fragilidade da criança, sua mãe, a cigana Dinara, prometeu que Luma nunca se casaria, permanecendo vírgem e pura para sempre.
Luma cresceu uma jovem normal e bela e como todas as jovens sonhava casar-se com seu amor encantado.
O destino encarregou-se de fazê-la conhecer Raul, um jovem criador de cavalos.
O amor, já escrito no destino dos dois, foi imediato.
Raul pediu ao pai que fosse falar com a família de Luma e negociasse o casamento dos dois.
Fato que o pai de pronto concordou, pois conhecia o filho o suficiente para saber que estava falando sério e apaixonado.
Foi ter com os pais da moça e soube da promessa de sua mãe. Ficou profundamente abalado e contou ao filho.
Raul pensou que ia morrer e foi o que desejou de imediato, mas recuperando-se, procurou Luma e contou de suas intenções.
Luma completamente apaixonada foge com Raul para viver seu grande amor.
Amaram-se na mesma noite e no dia seguinte Luma acorda ardendo em febre, parecendo muito doente.
Raul procura o médico da cidade onde estavam e este díz que a moça parece estar com uma infecção séria que comprometia a sua vida.
Raul sem saber o que fazer, mas dono de verdadeiro desejo de salvar o amor de sua vida, ajoelha-se e implora a Deus que cure sua amada e que perdoasse os dois pois tudo o que fizeram foi em nome de verdadeiro amor.
No mesmo instante Luma o chama do leito e pergunta o que havia acontecido.
Demonstrando saúde perfeita.
Raul narra a ela o ocorrido.
Luma ao tocar em uma rosa murcha que estava em sua cama, imediatamente a rosa torna-se como que se acabasse de ser colhida.
E assim nasceu a CIGANA FEITICEIRA que após aquele dia curava todos que a procurassem e que Deus permitisse.
Hoje uma grande falange de vários espíritos a ela subordinados.
Protege os amores verdadeiros e auxilia nas curas.

SALVE CIGANA CURANDEIRA
FONTE http://pombagirasetesaiasdocabare.blogspot.com/
Sou uma rosa, sou um perfume, sou a mais bela de qualquer jardim, ouço lamentos, ouço queixumes, não há mulher que não venha até mim. Sei seduzir, me deixo seguir, a palavra dificil para mim não existe, de preto e vermelho, ou sem me vestir, homem algum a mim me resiste. Bebo champanhe, fumo cigarro, digo mil coisas sem nunca falar, sei ler na mão, jogo o baralho, a mim só me engana quem eu deixar. Se alguém precise e me queira encontrar, siga o perfume em noite de luar, diga meu nome sem se enganar, sou Pombagira, a rua é meu lar. Autor: Paulo Lourenço

POMBAGIRA SETE SAIAS DO CABARÉ

POMBAGIRA SETE SAIAS DO CABARÉ
SALVE SETE SAIAS DO CABARÉ!
DONA SETE SAIAS, É MOJUBÁ!