.

domingo, 2 de maio de 2010

Ebós e Oferendas para Exú

De personalidade considerada atrevida e agressiva, o Exu, é o senhor dos caminhos que levam e trazem, fazendo as pessoas se aproximarem ou se distanciarem. Cada um tem seu próprio Exu, assim como todo o terreiro, que usa essa figura para proteger e zelar pela segurança da casa, do pai de santo e dos freqüentadores da entidade. O Exu não deve ser subestimado, pois não se presta ao papel de servo em nome de qualquer recompensa que pode ser dinheiro, bebida alcóolica ou animais sacrificados.
Ele representa o símbolo máximo da sensualidade e da voluptuosidade desenfreada.
Exú é poder, ambiguidade e irreverência, é a prória surpresa da vida.
Com muito senso de humor, brinca e possibilita prazeres aos seres humanos, quebrando com suas próprias normas, os tabus de nossa sociedade. Tudo isso faz com que ele seja tanto amado quanto odiado


Para Exú dar bons caminhos

01 folha de mamona
Um pouco de farofa de dendê
03 moedas
Um pouco de milho de galinha torrado
01 vela branca

Coloque a farofa de dendê na folha de mamona, o milho torrado e por cima as moedas. Leve em uma encruzilhada de bastante movimento e coloque a obrigação junto com a vela acesa, pedindo a Exú lonã que lhe de os caminhos que está pedindo.

Oferenda a Exú

01 garrafa de cachaça
01 charuto
01 caixa de fósforos
07 bifes
01 alguidá
Pacote de farinha de mandioca
01 vela vermelha e preta
dendê

Faça uma farofa crua de dendê, coloque no alguidá, por cima coloque os bifes fritos no dendê com cebola ralada e, leve em uma encruzilhada. Entregue com a vela acesa, derrame um pouco de cachaça em volta deixando o resto na garrafa acenda o charuto e coloque ao lado com a caixa de fósforos e peça com muita fé tudo que desejar que Exú faça. Presentes à orixás

Para que Exú traga a pessoa amada de volta
01 prato branco raso
Farinha de mandioca
mel
02 velas brancas

No prato coloque o nome da pessoa amada escrito 03 vezes em um papel branco, faça a farofa de mel e coloque por cima,
Em uma das velas escreva o nome da pessoa dos pés da vela para o pavio, então corte a ponta, vire-a de cabeça para baixo e, faça um outro pavio, a outra deixe inteira. Leve no pátio de sua residência e entregue à Maria Padilha com as velas acesas, pedindo a ela para que tire as forças da pessoa, e que traga de volta o mais rápido possível.

Para obter caminhos abertos sob a influencia de exú;

02 pratos
01 kg de farinha de mandioca
dendê
mel
02 velas brancas (comum)

Em casa com uma vela acesa, faça uma farofa crua de dendê e vá pedindo a Exú, para abrir seus caminhos, tirar o olho grande, as pragas, os atrasos etc., então vá jogando a farofa de dentro de seu pátio até o cruzeiro, fazendo os mesmos pedidos. Lá chegando deve Ter uma outra pessoa lhe esperando com a outra vela acesa e em um prato a farofa de mel. Então venha jogando aquela farofa do cruzeiro até sua casa, pedindo a Exú que traga a paz, a saúde o emprego...

EBÓ PARA PEDIR FORTUNA A EXÚ.

1 alguidar grande;
1 kg de farinha de mandioca crua;
1 bife grande e suculento;
azeite de dendê;
mel;
pimentas dedo de moça;
feijão fradinho;
3 cebolas médias;
1 garrafa de pinga;
1 vela branca;
1 punhado de moedas.

Frite o bife no azeite de dendê, sem passar demais.

Numa das metades do alguidar, coloque a farofa de dendê e, na outra, uma farofa de mel. Coloque o feijão fradinho em toda a volta do alguidar e, por cima das farofas, o bife enfeitado com as rodelas de cebolas e as pimentas. As moedas devem ser colocadas em volta do alguidar.

Leve essa comida embaixo de uma árvore de Exú (seringueira ou arvores que tenham espinhos), acendendo uma vela ao lado para localizá-la. Abra a garrafa, fazendo um círculo com a pinga em volta da oferenda.

Peça, em voz alta, a Exú que lhe traga fortuna, prosperidade, fertilidade, caminhos abertos, etc
Sou uma rosa, sou um perfume, sou a mais bela de qualquer jardim, ouço lamentos, ouço queixumes, não há mulher que não venha até mim. Sei seduzir, me deixo seguir, a palavra dificil para mim não existe, de preto e vermelho, ou sem me vestir, homem algum a mim me resiste. Bebo champanhe, fumo cigarro, digo mil coisas sem nunca falar, sei ler na mão, jogo o baralho, a mim só me engana quem eu deixar. Se alguém precise e me queira encontrar, siga o perfume em noite de luar, diga meu nome sem se enganar, sou Pombagira, a rua é meu lar. Autor: Paulo Lourenço

POMBAGIRA SETE SAIAS DO CABARÉ

POMBAGIRA SETE SAIAS DO CABARÉ
SALVE SETE SAIAS DO CABARÉ!
DONA SETE SAIAS, É MOJUBÁ!