.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Pomba Gira da Calunga

As Pombas Giras até hoje são mal-interpretados. Mas o que eu nós sabemos é que somos os mais parecidos com vocês, que são filhos de Deus. E sendo parecidos com vocês, que são filhos de Deus, nós também somos filhos de Deus. A Pomba Gira trabalha a energia da terra, assim como todos os orixás. Mas o exu é o caminho dos orixás, é ele que faz a ligação, que pega a filha e faz a filha falar com o orixá.
Eu gosto de dizer que nós estamos numa posição privilegiada porque os filhos precisam da gente e os orixás também. Porque os orixás estão tão lá em cima que sem nós eles não conseguem se fazer perceptíveis para os filhos. Aí os filhos teriam que estar muito em paz, em tranqüilidade, levando uma vida que não é a vida urbana. E nós gostamos da civilização, sabe?
Agora, essa é a nossa roupagem. Aqui, nessa terra, nessa época. Mas as encarnações da gente são muito pregressas. A minha, né, filha?
A Pomba Gira que trabalha na encruzilhada é a Pomba Gira que vai definir, vai proteger, vai orientar o filho, “vai pra lá, vai pra cá”. Nós, que somos do cemitério, dizemos “não adianta vir pra cá, nem ir pra lá, porque não tem por onde escapar”.
Eu sinto a maior honra de trabalhar como pomba gira. Porque eu gosto de sentir como vocês sentem. E não que isso seja maior nem menor. Eu não acredito - posso estar enganada -, mas eu não acredito que algum dia vão deixar de precisar do nosso serviço. E com todo o respeito que eu tenho, eu gosto de ser Pomba Gira em tempo integral.
Sou uma rosa, sou um perfume, sou a mais bela de qualquer jardim, ouço lamentos, ouço queixumes, não há mulher que não venha até mim. Sei seduzir, me deixo seguir, a palavra dificil para mim não existe, de preto e vermelho, ou sem me vestir, homem algum a mim me resiste. Bebo champanhe, fumo cigarro, digo mil coisas sem nunca falar, sei ler na mão, jogo o baralho, a mim só me engana quem eu deixar. Se alguém precise e me queira encontrar, siga o perfume em noite de luar, diga meu nome sem se enganar, sou Pombagira, a rua é meu lar. Autor: Paulo Lourenço

POMBAGIRA SETE SAIAS DO CABARÉ

POMBAGIRA SETE SAIAS DO CABARÉ
SALVE SETE SAIAS DO CABARÉ!
DONA SETE SAIAS, É MOJUBÁ!